55_casu_casa da sustentabilidade_campinas_sp_2016
.
parceria 
lap _laboratorio de arquitectura y paisaje

autores
alexandre gervásio  +  edgar mazo   +   erico botteselli  +  lucas thomé  +  pedro de bona   +   sebastián mejia

colaboradores
cauê marins   +   iojann restrepo   +   liene baptista   +   santiago hurtado   +   santiago restrepo   +   sara arteaga   +   thais coelho   +   vinicius costa


Cenário e Possibilidade

A vulgarização da palavra sustentabilidade está em voga. Em função da eminente preocupação com a manutenção do recursos naturais, 
ao contrário do que se imagina, gera-se uma grande desinformação. Palavras como “ecológico”, “reciclável”, “biodegradável”, dentre outras, 
estão presentes nos mais diversos produtos do nosso dia-dia. Disputas e desastres ambientais não saem das 
manchetes dos jornais. Os lados intitulam uns aos outros, de ruralistas e ecochatos.



cabana primitiva | marc antoine laugier

Nesse cenário de mar revolto, a Casa da Sustentabilidade se apresenta como grande oportunidade. 
Oportunidade didática e representativa. Didática ao visitante, ao usuário, que vislumbra na experiência da construção uma alternativa, 
compreende um diálogo aberto e saudável entre arquitetura e natureza, entre construir e preservar. Vê ali aspectos que pode
 incorporar em sua própria casa. É representativa na medida em que assegura ao CONDEMA uma sede condizente com a 
instituição, com suas premissas, ao abrir suas portas e entranhas, ao convidar o cidadão a participar.



 | corpos de água existentes desconexos |
| conexão dos corpos de água através de infra-estrutura hídrica |
| articulação do programa com a rede hídrica |
| simbiose entre edifício e entrono através da sombra |



Localização e Percepção

O entorno no qual está inscrito, na parte oeste do Parque do Taquaral, é configurado por uma área descampada 
com pequenos maciços arbóreos ao redor. Ao norte e leste estão duas lagoas conectadas por um pequeno córrego, 
que ao alcançar a área proposta para o concurso, é canalizado e enterrado. O que vemos ali é a ocasião de gerar uma arquitetura 
que suscita o equilíbrio com o entorno no qual se inscreve, ou seja, uma arquitetura que atua como agente catalizador, 
que se baseia na compreensão técnica da natureza para validar a elaboração de uma nova paisagem, 
em que arquitetura e ambiente estabelecem trocas simbióticas, em que ambos ganham.




Território, Paisagem e Ocupação

A lógica socioeconômica da ocupação do território tende a um viés de estratificação 
no qual se segregam zonas unicamente rurais ou urbanas. Sempre em detrimento daquilo que já existia, a natureza, 
seus rios, seus bosques. O que se busca nesse projeto é justamente uma arquitetura de diálogo.
O projeto planteia a articulação da estrutura do edifício com a abertura da rede hídrica que conecta os dois lagos existentes no parque, 
de forma a gerar uma ressignificação do movimento de água no território.  Sendo o desenhos da planta e a consequente localização dos ambientes, 
definidos pela interpolação do sistema construtivo, da paisagem (aquela que se busca dinamizar) e do programa. 


perspectiva eletrônica pátio interno


Em busca da valoração da paisagem, na envoltória do edifício, o plantio de um bosque nativo, zona de alta biodiversidade, 
permite a compensação da madeira cortada para a construção do edifício, enquanto o plantio de um bosque comestível, 
composto por arbustos frutíferos, produz comida e beneficia o desenvolvimento da fauna. Estes dois tipos de bosque permitem a criação de um 
microclima, protegendo dos ventos dominantes e captando o sol no inverno para o cultivo de hortas pedagógicas.



| sistema hídrico e vinculação com zonas úmidas de irrigação |
| espaço de hortas pedagógicas e viveiro para produção de espécies nativas |
| bosque comestível composto de frutíferas nativas |
| bosque denso para compensação arbórea das árvore utilizadas para construção do edifício |
                                                                            
                 

Tanques naturais de biorremediação/lagunagem que fundamentam-se na introdução de micro-organismos 
que fazem a remoção de contaminantes, que além do auxílio no processo de tratamento de água residuais, 
suprirá a irrigação das zonas de cultivos agrícolas por meio da gravidade. A sustentabilidade aqui se traduz na adequada gestão dos recursos hídricos e na 
sua restituição da água ao sistema natural, uma vez que limpa.

Esses espaços de biodiversidade e de produção estão vinculados por um sistema de irrigação que atravessa o edifício e o 
articula com o espaço exterior, permitindo a distribuição e a retenção de água. A conformação de tanques abastecidos com espécies hidrófilas promove
 a preservação das zonas úmidas necessárias para o equilíbrio ecológico da região.



pilares                                          circulação                                             programas                                     vias primárias x                                   vigas primárias y                                  cobertura

componentes arquitetônicos




Estrutura e Espaço

Como uma marcação cartográfica, pilares cruciformes demarcam a superfície de forma a delimitar pontos nodais, 
tanto na percepção visual quanto estrutural. Cria-se sobre eles uma cobertura que segue uma lógica construtiva diáfana que 
caracteriza ao mesmo tempo espaços distintos e semelhantes, forma de dizer que a partir de um sistema de agrupação de peças 
semelhantes, criam-se espaços distintos, que hora são reclusos com menos luz, hora amplos com maior permeabilidade de iluminação natural.








sistema de cobertura | plenária



A estrutura da cobertura é conformada por vigas primárias e vigas secundárias. Vigas estas que tem altura e 
espaçamento definidos de forma a permitir a circulação cruzada do ar, filtrar a luz solar, e possibilitar a iluminação natural do edifício. A densidade 
da luz tem grande importância no desenho e percepção do espaço.




sistema de cobertura | áreas expositivas








Diagrama de Não Suspenção

A primeira vista pode ser considerada uma decisão acertada no âmbito da arquitetura ecológica a 
suspensão de um edifício do solo. Porém após supormos esta possibilidade neste sítio, chegamos a seguintes casos que justificariam esta ação:

-Suspender para liberar térreo e aumentar sua área permeável.

-Suspender para evitar grandes movimentações de terra, em geral terrenos com acentuada declividade.

-Suspender para preservar fauna e flora já existentes.

No caso do sítio da Casa da Sustentabilidade, os dois últimos parâmetros claramente não se aplicam. Com relação ao primeiro item, 
o da permeabilidade, também entendemos que não, pois trata-se de um programa com ambientes de grandes 
dimensões que gerariam extensas “sombras” sobre o terreno (onde a água da chuva não chegaria), um espaço baixo 
que não justificaria intervenções paisagísticas e ademais geraria um vasto adendo ao orçamento. Portanto 
tomamos como partido assentar o projeto no solo e transformar a cobertura em um grande guarda-chuva
 inverso que que capta a água pluvial, que após ser tratada é usada tanto no abastecimento 
do edifício quanto nos bosques, viveiros e hortas.



Interação Entre a Casa da Sustentabilidade e o Parque do Taquaral
Reflorestamento de zonas abertas com espécies nativas cultivadas no viveiro da Casa da Sustentabilidade para a conformação de um bosque urbano de escala metropolitana.



perspectiva eletrônica áreas expositivas


Energias/Materiais Renováveis e Estratégia de Compensação Ecológica

Na busca de um equilíbrio com a natureza, adotou-se uma série de estratégias construtivas renováveis
 e de mínimo impacto ambiental. Dentre as principais estão:
No piso utiliza-se tijolo ecológico possível de ser fabricado com a terra do terreno, provenientes das escavações para o
 plantio do bosque, misturada e prensada in loco, evitando a queima do tijolo e a consequente emissão de gases poluentes.



conformação das hostas e jardins | configuração de uma seção ascendente de vegetação para aproveitamento do sol e proteção do vento


Os pilares funcionam como depósitos de materiais decorrentes da construção civil local, uma opção da baixo 
custo e que dá função ao que seria apenas resíduo dos processos físicos de transformação 
urbana. Tem em sua parte externa a armação de ferro e telas que trabalham a
 tração e em seu interior os resíduos que trabalham a compressão.

utilização de materiais cíclicos

 | compensação da madeira utilizada para construção do edifício |                                                                   | utilização da terra escavada para fabricação dos tijolos |                                                                                         
                                                                         | reutilização de resíduos de demolição para conformação dos pilares |                                                                             | fechamentos internos em madeira reciclada |       


Na cobertura são utilizadas vigas de madeira laminada colada (MLC) que são produzidas por plantio de 
reflorestamento e utilizam resinas a base de água que não agridem o meio ambiente. A madeira se mostrou o material mais 
adequado devido ao seu ciclo renovável, baixo despendimento de energia para sua produção, e o sequestro de carbono
 realizado durante seu crescimento. Amplamente desenvolvido na Europa e hoje tomando porte no Brasil, 
o sistema de madeira laminada colada pode produzir vigas de até 25 metros e peças que podem 
ficar expostas ás intempéries contanto que tenham o devido tratamento.


ações de auto abastecimento

 | manejo de águas pluviais filtradas por vegetação hidrófila |                                                                                           | filtragem da luz direta na cobertura |                                                                                                     
                                                                                          | utilização de coberturas para captação de energia solar |                                                                              | sistema de ventilação natural por janela s pivotantes |       


Sob a cobertura, alinhados longitudinalmente com relação as vigas, estarão instalados painéis 
fotovoltaicos, que farão a conversão dos raios solares em energia elétrica. Para tanto a orientação 
solar é o fator delineador da implantação norte-sul do edifício. Também estarão distribuídos pontualmente 
pequenos geradores eólicos que convertem a energia cinética da incidência dos ventos em eletricidade. 
A energia proveniente das placas fotovoltaicas será destinado ao abastecimento do edifício, enquanto a 
energia eólicas será utilizada na iluminação dos passeios do parque. Em ambos os casos serão instalados 
sistema de compensação de créditos com a concessionária de energia, retirando a necessidade do 
armazenamento das energias produzidas nos momentos de baixo consumo.

ações de paisagem

 | geração de microclimas através da plantação de bosques nativos |                                                    | conformação de zonas úmidas e de uma sistema de irrigação por gravidade |                                                                            
                                                                                          | limpeza de águas pluviais através de tanques de biorremediação |                                                                  | seção florestal garantindo a entrada de luz natural no edifício |       




diagrama de fluxos bio energéticos


No âmbito geral, o projeto ilustra um conceito de sustentabilidade há muito já esquecido, que se 
compromete com uma visão global de ecossistema, na qual os resíduos de um são os recursos de outros, 
onde se articulam dinâmicas naturais e humanas através da arquitetura, resultando, por fim, em uma construção
 equilibrada e durável. O edifício promove uma arquitetura que volta a se aproximar de possibilidades
 locais e que se transforma em instrumento de conciliação entre homem e natureza.



perspectiva eletrônica externa


croqui organização espacial



croqui pilar cruciforme






|  


apresentação / profile      projetos / work      publicações / media